Educação e patrimônio integral

Home Fóruns Perspectivas Conceituais Educação e patrimônio integral

Este tópico contém 14 respostas, 8 vozes e foi atualizado pela última vez por  Nadia Helena 5 anos, 3 meses atrás.

15 posts - 1 de 15 (de 15 do total)
  • Autor
    Posts
  • 14/11/2012 em 18:54 #251
    Pnem
    Pnem
    Administrador Mestre

    Fomentar ações educativas, a partir do conceito de patrimônio integral, voltadas para a promoção da cidadania e ação social;

    29/11/2012 em 14:28 #419
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    As cidades mais afetadas pelo Capital (ou as “cidades do capital”, como diz Lefebvre) sofrem com as desapropriações, a especulação urbana e os usos inapropriados do solo urbano que golpeiam frontalmente a idéia de Patrimônio Integral, fazendo descartar, desprezar ou minimizar a importância da memória e identidades de um território. Vejam o caso do Rio de Janeiro com as obras dos grandes eventos e a “revitalização” da zona portuária. Acho que os museus e centros culturais podem assumir um papel importante neste debate que, a meu ver, até agora pouco se fez.

    01/12/2012 em 3:01 #433

    Ozias, acredito que os museus públicos e privados, longe de serem um local de debate sobre as cidades e seu patrimônio, encontram-se a serviço e amordaçados pelas gestões públicas e pelos seus patrocinadores, que geralmente são os propositores e financiadores dessas ações “revitalizadoras/destruidoras”.

    02/12/2012 em 16:57 #451

    Socorro Lima
    Subscriber

    Tens razão Neilia, por outro lado na medida em que os museus e congêneres assumirem um papel político de sensibilização sobre o pertencimento e valorização do patrimônio as comunidades irão demandar como o caso dos índios da aldeia Maracanã próximo ao estádio do mesmo nome. Esse é o papel político dos museus que a noção de patrimônio integral norteia, penso eu.

     

    02/12/2012 em 22:35 #454
    girlene.bulhoes
    girlene.bulhoes
    Subscriber

    Concordo com todas as colocações feitas, e fico um pouco preocupada quanto ao sucesso e ao futuro dos museus ao ver que as experiências negativas são tantas e tão mais frequentes que apagam as experiências positivas que existem aos montes.

    Em relação à colocação do Ozias, motivadora dos demais comentários, entendo que tudo o que está ali escrito se relaciona intimamente com a questão da Sustentabilidade, tanto economica como ambiental e cultural, presente neste fórum de discussão, sem nenhuma participação além da moderação e coordenação.

    03/12/2012 em 16:02 #468
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    Acho que minha preocupação aqui, caras colegas Girlene, Socorre e Neilia e demais que estão lendo essa postagem, é que existe, de fato, um “rolo compressor” pesando sobre tudo o que impede o livre curso do “desenvolvimento”, seja nas construções das novas barragens para as hidrelétricas (justificadas pela “necessidade” de energia para o progresso), nas aberturas de vias, na revitalização de lugares etc. Como profissionais de museus e, sobretudo como “cidadãos” (com o perdão da palavra…) temos algo a fazer. Sem dúvidas, as mordaças existem; mas, felizmente, elas não excluem a possibilidade de rupturas, de embates, de idéias renovadas na direção de uma outra sociabilidade. A gente pode ir colocando aqui o “como” fazer isso. Colocar o debaté já é, em si, um caminho. Que outros caminhos existem? Como construí-los?  Mas, Girlene, vou dar uma passada lá na sua postagem para debater a sustentabilidade… já, já!

    06/12/2012 em 16:23 #517

    Onde consigo um texto sobre “Patrimônio Integral”?

    06/12/2012 em 18:37 #527
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    Rosa, há diversos textos disponível na rede e você pode fazer esta busca. Tem um que gostei muito que traz uma crítica com respeito aos “adjetivos do patrimônio” (http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/DMP–204.pdf). Quanto à fala da Neilia, aqui no Rio de Janeiro tem uns casos interessantes na direção da crítica que você faz: O Museu do Primeiro Reinado/Solar da Marquesa de Santos vai dar lugar ao Museu da Moda! O Museu Carmem Miranda vai sair de seu lugar atual e ocupar um andar no novo MIS (Museu da Imagem e do Som). Decisão de quem? Desse modo, sou otimista em certo sentido pois o fortalecimento do nosso campo de atuação pode ampliar o debate e visibilidade em torno das questões eo patrimônio.

    11/12/2012 em 11:22 #544

    Bom dia a todos. Estou ingressando neste fórum agora. Obrigada pelo link com o texto sobre patrimônio integral. Agradeceria por outras sugestões pois, embora faça parte do campo museológico, sinto falta de alguns aprofundamentos e de publicações.

    Quanto ao debate, acho que envolve visão territorial e participação em processos de patrimonialização. Se patrimônio é herança, é também construção participativa. Depois há a questão do desenvolvimento. Velhas concepções levam a ideia hegemônica, mas falida, de que tradição e patrimônio devem dar espaço ao desenvolvimento. Falácia, pois não há desenvolvimento sempreservação, educação e cultura.

    Quanto às mordaças, meus caros, vamos nas brechas. Elas existem e são muitas, de diferentes taminhos. Procurem um espaço de fala e/ou atuação e ocupe-o. E não podemos nos esquecer que há maneiras de e momentos para nos colocarmos. Mas, é possível.

    11/12/2012 em 18:50 #560
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    Marília, achei muito pertinente suas colocações! Lamentavelmente, diria que se a idéia é “hegemônica” dificilmente estará “falida”. O que é possível, e sobre isto trabalhamos, é trabalharmos numa direção contra-hegemônica (no dizer de Gramsci), descobrir as brechas ou mesmo fazer as brechas! Bem, de algum modo estamos fazendo uma brecha com a construção do Pnem. Acho que no tocante ao tópico que encabeça este post diria que uma concepção de cidadania ampliada, efetiva, contempla – indispensavelmente – a questão do patrimônio e cultura.

    15/12/2012 em 1:09 #584

    Especialmente, nesse contexto os “rolos compressores” estão muito intensos, levando até a desconfianças no poder de ação e de debate dos museus e centros culturais.

    Todavia, são realmente muitos os exemplos de brechas. Recentemente acompanhei um debate sobre o tema da próxima exposição de média duração em uma instituição e uma das sugestões foi um Rio que é uma questão social, econômica, de planejamento urbano, saúde pública para BH. Porém, a opção foi por um tema “mais leve”. Ainda assim, o educativo do museu, que é a interface com o público, debate e transforma os “temas mais leves” em questões relevantes para a promoção da cidadania e ação social.

    17/12/2012 em 13:55 #591
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    Pois é, parece-me que os Educativos vivem sempre na “diplomacia”, numa certa “contemporização” diante das ações (não raro, incisivas, diretivas) de outros agentes dentro dos Museus e externos a ele… Vivemos “buscando brechas” quando deveríamos estar nos fundamentos das ações museais.  Neilia, enquanto buscamos os “leves” os “pesados” querem nos atropelar!   Mas, achei interessante a idéia de vocês em transformarem o que seria um tema “leve” em uma discussão que fomente o fortalecimento da cidadania. Como isso aconteceu?

    29/12/2012 em 13:22 #632

    Por menor que seja o impacto político e social de um tema,  ele nunca é neutro. Ainda que o projeto expositivo tenha privilegiado aspectos que não evidenciavam questionamentos, as atividades educativas, a mediação optou por trazer a tona questões/problemas  socialmente relevantes.

    07/01/2013 em 14:37 #641
    Ozias Soares
    Ozias Soares
    Subscriber

    Neilia, no meu entendimento, quando um projeto expositivo não suscita questionamentos ou não “provoca” o sujeito, talvez seja a hora da equipe “se questionar”. Mas, acreditamos (e trabalhamos) como você: se a “intenção” dos organizadores foi evitar qualquer questão digamos, “escorregadia”, “embaraçosa”, crítica, cabe a uma equipe sensível, ética e politicamente comprometida, fazer a mediação dos temas que levem à “PROMOÇÃO” da cidadania e “ação social.

     

    05/04/2013 em 20:57 #1229

    Nadia Helena
    Subscriber

    Olá a todos,

    Chegando agora…

    Educação e Patrimônio um excelente tema! – na perspectiva da Educação Integral podemos também construir importantes contribuições a cidadania cultural e por conseguinte, o fomento e promoção social.

    Abraços.

    Nádia

     

     

15 posts - 1 de 15 (de 15 do total)

O fórum ‘Perspectivas Conceituais’ está fechado para novos tópicos e respostas.