Curso de Especialização em Educação Museal forma sua primeira turma

Chegamos ao final da primeira turma do Curso de Pós Graduação Especialização em Educação Museal, curso realizado por meio de parceria técnica entre os Museus Castro Maya/Chácara do Céu e o Museu da República, representado pelo Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e o Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), via Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC). O Curso, pioneiro neste nível de ensino no país, tem como objetivo preencher uma lacuna na formação dos profissionais educadores em museus e centros culturais do País.

Ele tem a proposta de que instituições de cultura e de ensino ajam em conjunto na construção de uma ideia de educação que leve em conta uma Formação Integral. Abrangendo instituições públicas e promovendo uma visão de ensino inovadora, resgatando o ideário e reafirmando as convicções de Anísio Teixeira e de tantos outros educadores que inspirados por ações educacionais exemplares como as desenvolvidas pelo histórico Instituto de Educação e também por muitos museus pelo Brasil a fora têm colaborado para promover uma educação de qualidade, que priorize a fruição cultural e que democratize seu acesso a todos.

A partir do dia 19 de março de 2016, cerca de 30 alunos defenderão seus Artigos de Conclusão, com temas de grande expressividade para o campo da Educação Museal, número de alunos bastante significativo para um Curso de Especialização em Educação.

Serão apresentadas pesquisas que perpassam pela educação infantil; teatro; artes; acessibilidade; público com transtorno mental; turmas de Jovens e adultos (EJA); vandalismo e patrimônio; relação museu e escola; relações étnico-raciais; historiografia da educação de museus e centros culturais como: Museu de Arte Sacra de Paraty, Museu Histórico Nacional, Museu Imperial, Museu da Vida, Centro Cultural Banco do Brasil, Museu Vivo do São Bento, Museu da Maré, Palácio Tiradentes, Teatro Municipal, além de debates políticos e conceituais do campo científico, em especial sobre a Política Nacional de Educação Museal (PNEM)/IBRAM. Enfim, uma gama variada de temas que vão além do momento que vivemos culturalmente; essa diversidade demonstra a riqueza no campo científico e quanto ainda pode ser feito através de pesquisas pela Educação, Patrimônio, Cultura e pelos nossos Museus.

As apresentações serão abertas ao público e realizadas na sala 300, do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, localizado na Rua Mariz e Barros, 273 – Praça da Bandeira – Rio de Janeiro – RJ. 

Confira o cronograma de defesa dos trabalhos aqui.

 

Guia “Proyectos educativos y culturales en museos”

Recentemente, o Ibermuseus divulgou através de seu site o guia Proyectos educativos y culturales en museos, uma ferramenta básica de apoio ao planejamento nos museus. O guia foi desenvolvido por um grupo de trabalho integrado por diversos profissionais  do Laboratorio Permanente de Público de Museos, vinculado ao Ministerio de Educación, Cultura y Deporte do governo espanhol.

 

 

DO PALÁCIO AO MUSEU: A TRAJETÓRIA PEDAGÓGICA DO MUSEU DA REPÚBLICA

Na próxima segunda-feira, dia 16/11/2015, às 14h00, será realizado o lançamento do livro “Do Palácio ao Museu” no Museu da República, Rio de Janeiro, em comemoração aos 55 anos do museu. A publicação terá versão impressa e E-book.

O livro é fruto da pesquisa de Pós-doutorado em Educação na PUC-RJ de Kátia Frecheiras, pesquisadora do Museu da República/IBRAM e coordenadora do GT de Formação, Capacitação e Qualificação aqui do PNEM! Frecheiras também é coordenadora e docente do Curso de Pós-graduação em Educação Museal (Ibram/FAETEC), além de ser integrante do Comitê Gestor da REM-RJ.

Para mais informações, acesse aqui a programação especial de aniversário do Museu da República!

Curso de Educação Patrimonial

O Curso de Educação Patrimonial 2015, que será ofertado de forma gratuita e a distância, é parte integrante do Projeto Educação Patrimonial 2015, patrocinado pelo Programa Municipal de Incentivo a Cultura – PROMIC da Cidade de Londrina-PR, e é uma realização do Instituto de Desenvolvimento Social, Pesquisa e Ensino – INDESPE, com apoio do Centro Universitário Filadélfia – UniFil.

A proposta é fazer uso de ferramentas disponíveis de forma aberta na Internet e, desta forma, o aluno terá acesso tanto a uma reflexão teórico-prático no âmbito do Patrimônio Cultural, quanto a prática no uso de ferramentas que podem potencializar o processo de ensino e aprendizagem.

Neste curso pretende-se apresentar diversas perspectivas referentes a conceitos que envolvam patrimônio, memória, tombamento, educação, sociedade, entre outros. Acredita-se que a troca de conhecimento amplia a compreensão de um assunto.

A previsão é que as aulas tenham início em 03/08, e encerrem-se em 30/09. Os que desenvolverem as atividades propostas durante este período, receberão certificado de participação com carga horária de 30 horas. O curso, no entanto, ficará aberto por tempo indeterminado, para todos que desejarem ter acesso ao conteúdo.

As orientações para inscrição podem ser obtidas pelo site http://cursodeeducacaopatrimonial.blogspot.com.br/.

MUSEU DE ARTE DE JOINVILLE LANÇA CATÁLOGO DIGITAL “CONEXÕES EDUCATIVAS”

No último mês de maio, o Museu de Arte de Joinville (MAJ) lançou o Catálogo Digital “Conexões Educativas”, produzido com recursos advindos do Prêmio Darcy Ribeiro, concedido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

O catálogo digital, desenvolvido a partir dos projetos educativos realizados pelo MAJ nos últimos anos, contribuirá para propagar publicamente as ações e projetos educativos do museu e os conhecimentos produzidos. Alcione Resin Ristau, especialista cultural e educadora do MAJ, ressalta que este material, textos, imagens e vídeos, foi todo elaborado pela equipe do museu.

Na ocasião, foram distribuídos 100 exemplares do Catálogo Digital à rede de ensino municipal de Joinville. Em breve, o “Conexões Educativas” também estará disponível para consulta online.

Programa Ibermuseus lançará a VI edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus

O edital será publicado em 18/5, Dia Internacional dos Museus. Nesta edição, serão premiados oito projetos que potencializem a capacidade educativa das instituições museológicas da região

Com o objetivo de reafirmar e ampliar a capacidade educacional dos museus e do patrimônio cultural como estratégias de transformação da realidade social, o Programa Ibermuseus lançará, no dia 18 de maio, a VI edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus. Com a iniciativa, serão reconhecidos oito projetos educativos provenientes das instituições museológicas ibero-americanas[1].

O lançamento do Prêmio acontecerá no Dia Internacional dos Museus (data comemorativa estabelecida pelo Conselho Internacional de Museus – Icom).  Com esta simultaneidade, o Programa Ibermuseus celebra a importância dos museus no desenvolvimento sociocultural, e no fortalecimento dos direitos humanos e de uma cultura de paz, com o estímulo à aceitação da diversidade cultural e das distintas identidades que compõem a realidade ibero-americana.

As inscrições da VI edição estarão abertas de 18/5 a 18/6, podendo ser realizadas por meio da seção Convocatórias, do Portal Ibermuseus, onde os interessados também encontrarão o edital e demais informações sobre o Prêmio.

Categorias - O Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus premiará iniciativas que promovam o desenvolvimento pessoal e a coesão social, por meio de duas categorias: Categoria I – Projetos realizados ou em andamento; e Categoria II – Fomento a projetos em fase de elaboração e/ou planejamento. Para a primeira delas, serão outorgados três prêmios, e para a segunda, cinco, totalizando US$ 75 mil em prêmios. Além disso, serão concedidas menções honrosas aos primeiros 20 classificados.

Para concorrer, as instituições devem ter caráter cultural, educativo ou afim, além de estarem ligadas à administração pública (municipal, regional ou nacional) ou serem empresas privadas sem fins lucrativos.

Nas últimas cinco edições, o Programa Ibermuseus premiou 37 projetos educativos na Ibero-América, com um total de US$ 215 mil.

Ibermuseus – O Programa compreende os museus como instituições dinâmicas, vivas e de encontro intercultural; como espaços que trabalham com o poder da memória; como instâncias relevantes para o desenvolvimento das funções educativa e formativa; como ferramentas adequadas para estimular o respeito à diversidade cultural e natural e para valorizar os laços de coesão social das comunidades e a sua relação com o meio ambiente.

Sua atuação se destina a consolidar a Rede Ibero-Americana de Museus, formada pelos 22 países da comunidade ibero-americana, tendo como objetivos principais: fortalecer as políticas públicas dos países ibero-americanos; estabelecer mecanismos de intercâmbio, informação e difusão entre os museus; promover a formação e a capacitação de profissionais da área; criar mecanismos para ampliar a capacidade educativa dos museus; fomentar a circulação de acervos e exposições; promover a proteção e a gestão do patrimônio museológico; o fomento à pesquisa; e o estímulo do direito à memória das etnias e gêneros, de grupos e movimentos sociais, valorizando os diferentes tipos de museus.

Atualmente, o Programa Ibermuseus é presidido pelo Brasil, onde funciona sua Unidade Técnica, encarregada da execução das linhas de ação determinadas pelo Comitê Intergovernamental.

O Ibermuseus está vinculado à Secretaria Geral Ibero-americana (Segib) e conta com o apoio técnico da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI) e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), além do suporte da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid).

[1] Países que compõem a Comunidade Ibero-Americana: Andorra, Argentina, Brasil, Bolívia, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Chile, Equador, Espanha, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, México, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

Fonte: http://www.ibermuseus.org/

Rede de Educadores em Museus é criada no Maranhão

No dia 09 de fevereiro de 2015 foi oficialmente criada a Rede de Educadores em Museus do Maranhão – REM/MA. A reunião contou com a presença de representantes diversos de museus, centros culturais, pontos de memória e universidades e ocorreu no auditório do Palácio Cristo Rei na cidade de São Luís.

A pauta foi a discussão dos objetivos e funcionamento da REM/MA, além da definição de 7 articuladores provisórios que conduzirão a rede até o processo de eleição. Estes são: Liz Renata Dias, educadora do Museu Casa Histórica de Alcântara, Carlos André Cunha, diretor e educador do Memorial Cristo Rei, Hélder Bello de Mello, museólogo da Universidade Federal do Maranhão, José do Nascimento de Almeida, representante dos pontos de memória do estado,

Eliane Gaspar Leite, representante do Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão, Dayse Nângela S. da Silva, representante da Casa do Maranhão e Maria Iraci Soares Monteiro, diretora do Museu da Igreja do Carmo. A 2ª reunião, agendada no dia 13 de abril será para a elaboração das fichas de diagnóstico das visitas técnicas que serão realizadas nos museus.

Para entrar em contato com a rede e saber mais acesse:

Blog: http://www.remmaranhao.blogspot.com.br/
E-mail: rem-maranhao@hotmail.com

Sistema Estadual de Museus – SP discute conceitos da educação em museus

Em 18 de março (quarta-feira), o site do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), instância ligada à Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, disponibilizará um novo conteúdo ao público: o documento “Conceitos-chave da Educação em Museus”. O texto é fruto do trabalho realizado ao longo de 2013 e 2014 pelo Comitê Educativo, composto por coordenadores e profissionais das equipes dos núcleos educativos dos museus da Secretaria da Cultura e da equipe técnica da Unidade Preservação ao Patrimônio Museológico.

A perspectiva é que, a partir da ampla divulgação do documento, principalmente por meio do fórum virtual no portal do SISEM-SP (em HTTP://www.sisemsp.org.br), sejam recebidas contribuições de profissionais de museus e instituições culturais do Estado de São Paulo e do país, para dialogar com as referências já trabalhadas e em permanente construção, considerando-se os desafios da práxis educativa na relação do museu com diferentes públicos.

A divulgação do documento também será feita por meio das redes sociais, do Centro de Referência de Educação em Museus do Museu da Língua Portuguesa e do “Museu para Todos”, da Pinacoteca do Estado, convidando para a participação no fórum virtual no portal do SISEM-SP.

As contribuições serão recebidas pelos integrantes do Comitê Educativo no intuito de colher subsídios que possam aprimorar as definições sobre esses termos. Todo esse processo de discussão aberta e os seus resultados farão parte de uma mesa dedicada ao tema da educação em instituições museológicas no 7º Encontro Paulista de Museus, a ser realizado nos dias 24, 25 e 26 de junho. 

Texto extraído do site: www.sisemsp.org.br

A caminhada do PNEM

Tudo começou com a Carta de Petrópolis, um documento resultante do 1º Encontro de educadores dos Museus do Ibram, realizado em junho de 2010. As demandas explícitas nesta Carta, juntamente com outros marcos estruturantes e legais dos campos cultural e museal brasileiro deram o pontapé inicial para criação de um Programa Nacional de Educação Museal.

Dessa forma, a metodologia de construção do PNEM contou com a consulta pública e foi realizadas em 3 etapas, conforme o gráfico abaixo:

 

Ao longo dos últimos anos, coordenadores de GT, articuladores, membros de REMs, educadores e outros profissionais de museus se reuniram para discutir questões relacionadas à educação museal, focados nos 10 eixos temáticos propostos pelo PNEM.

Começamos com uma consulta pública virtual por meio de fóruns de discussão realizados no Blog do PNEM (etapa 1). Foram 4 meses de debate – de dezembro de 2012 a abril de 2013 -, onde foram apresentadas várias propostas pelos mais de 700 participantes cadastrados no Blog. O debate foi tão produtivo que a partir dele pudemos traçar as propostas de diretrizes, estratégias e ações do Programa. Assim, em 20 de janeiro de 2014 foi lançado o Documento Preliminar do PNEM, fruto de todo este debate público.

A partir de então, tivemos muito trabalho, muitos encontros, vimos algumas REMs sendo formadas e a educação museal sendo discutida nos quatro cantos de nosso país!

Em março de 2014, o Rio de Janeiro deu o pontapé nos Encontros Regionais (etapa 2). Ao todo foram realizados 23 Encontros Regionais, que ocorreram entre os meses de março a outubro em vários estados brasileiros. Tais encontros reuniram professores, profissionais de museus, estudantes de museologia e demais interessados em educação museal. O objetivo central desses encontros foi discutir o Documento Preliminar do Programa Nacional de Educação Museal e inserir novas propostas e adendos às suas diretrizes, estratégias e ações. Recebemos contribuições muito bacanas e pertinentes em todos os encontros realizados!

Depois de tantos encontros e muitos debates, nos reunimos todos em novembro, na cidade de Belém/PA.  Realizamos, no âmbito do 6º Fórum Nacional de Museus, o Encontro Nacional do Programa Nacional de Educação Museal (etapa 3). Na tarde do dia 24/11/2014 e na manhã do dia 25/11/2014 reunimos cerca de 50 pessoas dispostas a definir os princípios norteadores de uma futura Política Nacional de Educação Museal. O foco da discussão foi o GT Perspectivas Conceituais e todos os adendos feitos a este eixo temático durante os encontros presenciais. Orientados pelo coordenador deste GT, Ozias de Jesus Soares, todos os participantes reunidos em plenária puderam discutir, reescrever e votar a redação final de cada princípio. Para além da definição dos princípios norteadores, o Encontro Nacional do PNEM foi um excelente momento de reunir a equipe da Coordenação de Museologia Social e Educação do Ibram, os coordenadores de GT, educadores de museus, representantes de REMs de vários estados, estudantes e diretores de museus.

Encontro Nacional em Belém/PA

Fechamos o ano de 2014 muito felizes com tantas conquistas! Os Encontros Regionais estimularam a criação de novas Redes de Educadores de Museus, a exemplo do Pará, Maranhão e São Paulo e dinamizaram algumas outras que estavam desarticuladas. Esse é um dos nossos maiores ganhos! É muito bom ver o PNEM sendo debatido nacionalmente e as REMs contribuindo cada vez mais nesta construção. As conquistas são coletivas e agradecemos a cada um que se empenhou em discutir, participar, organizar encontros e construir, de forma dialogada e participativa, o Programa Nacional de Educação Museal.

Ibram abre inscrições para atividades durante a Semana de Museus 2015

Museus para uma sociedade sustentável: esse é o mote para a 13ª edição da Semana de Museus, que acontecerá em todo o Brasil entre os dias 18 e 24 de maio de 2015.

As inscrições de atividades para museus e entidades culturais de todo o país estão abertas até o dia 22 de fevereiro na página do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) – autarquia federal vinculada ao Ministério da Cultura (MinC).

A partir do tema escolhido anualmente pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), para comemorar o Dia Internacional de Museus (18 de maio), o Ibram coordena uma programação dedicada a celebrar a data, reunindo um leque diversificado de atividades.

Em 2014, por exemplo, 1.337 instituições realizam mais de quatro mil ações sob o tema Museus: coleções criam conexões, entre os dias 12 e 18 de maio. A realização das atividades a cada ano fica sob responsabilidade da instituição que as inscrever, bem como a viabilização para que ocorram.

Ao Ibram cabe divulgar a programação nacional da 13ª Semana de Museus, além de produzir e distribuir a versão impressa do Guia de Programação nacional a todas as entidades participantes e disponibilizar em seu sítio web uma versão digital para acesso do público.

Dúvidas sobre a inscrição de atividades ou outras questões sobre a 13ª Semana de Museus devem ser enviadas para o endereço eletrônico semana@museus.gov.br.

Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Casa da Hera