PNEM

II Jornada Holística do Museu do Piauí

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente perceptível em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

O tema de nossa II Jornada prevista para os dias 12, 13 e 14 de novembro deste ano será ” As dores e a transcendência do eu”. A intenção é perceber o caráter purificador da dor, sua força que pode impulsionar ao auto- conhecimento e à superação de limitações que, de alguma forma vivenciamos. Trataremos da dor numa perspectiva filosófica, espiritual, psicológica, científica, física porque ela, quase que inevitavelmente perpassa essas esferas. O que as dores têm a nos ensinar? Partimos da tese de que as dores são um mecanismo importante no processo de autoconhecimento, processo esse que pode levar à transcendência do eu. Objetivamos com essa jornada proporcionar alternativas capazes de fazer o participante refletir sobre suas dores, vislumbrando um caminho à sua transmutação.

Com a colaboração e participação de profissionais de áreas diversas, entidades e e escolas, instrutores, artesãos e grupos em geral o Museu do Piauí realizará durante a sua II Jornada um conjunto de atividades gratuitas direcionadas à comunidade. Essas atividades tais como palestras, vivências de yogaterapia, atendimentos em seitai dentre outras, objetivam propiciar reflexões, experiências e conhecimento sobre o assunto. Além da experiência proporcionada por vivências, palestras e atendimentos – a II Jornada Holística do Museu do Piauí traz ao público uma instalação que contemplará o tema em questão através dos vários sentidos, como também uma Feira que acontecerá no pátio interno do Museu. Trazer essas atividades para o espaço do Museu do Piauí é oportunizar um conjunto de experiências a pessoas que nem sempre tem acesso a essas práticas que tem contribuído substancialmente na melhoria da qualidade de vida de vários públicos. Nesse sentido, os museus enquanto instituições públicas sociais, culturais e históricas voltadas às questões que permeiam a comunidade em que se inserem e promotoras de argumentos culturais, políticos e éticos, constituem um importante instrumento para a mediação dos mais diversos conteúdos de interesse público. Sob essa perspectiva, o Museu do Piauí – Casa de Odilon Nunes amplia a experiência de educação museal e  assume o compromisso de trazer para o centro da discussão a temática da “dor”, com vistas a promover diálogos e vivências no âmbito da saúde e bem- estar fundamentados no paradigma holístico, incluso pela Organização Mundial de Saúde em um conceito ampliado de saúde.  

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente perceptível em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

O tema de nossa II Jornada prevista para os dias 12, 13 e 14 de novembro deste ano será ” As dores e a transcendência do eu”. A intenção é perceber o caráter purificador da dor, sua força que pode impulsionar ao auto- conhecimento e à superação de limitações que, de alguma forma vivenciamos. Trataremos da dor numa perspectiva filosófica, espiritual, psicológica, científica, física porque ela, quase que inevitavelmente perpassa essas esferas. O que as dores têm a nos ensinar? Partimos da tese de que as dores são um mecanismo importante no processo de autoconhecimento, processo esse que pode levar à transcendência do eu. Objetivamos com essa jornada proporcionar alternativas capazes de fazer o participante refletir sobre suas dores, vislumbrando um caminho à sua transmutação.

Com a colaboração e participação de profissionais de áreas diversas, entidades e e escolas, instrutores, artesãos e grupos em geral o Museu do Piauí realizará durante a sua II Jornada um conjunto de atividades gratuitas direcionadas à comunidade. Essas atividades tais como palestras, vivências de yogaterapia, atendimentos em seitai dentre outras, objetivam propiciar reflexões, experiências e conhecimento sobre o assunto. Além da experiência proporcionada por vivências, palestras e atendimentos – a II Jornada Holística do Museu do Piauí traz ao público uma instalação que contemplará o tema em questão através dos vários sentidos, como também uma Feira que acontecerá no pátio interno do Museu. Trazer essas atividades para o espaço do Museu do Piauí é oportunizar um conjunto de experiências a pessoas que nem sempre tem acesso a essas práticas que tem contribuído substancialmente na melhoria da qualidade de vida de vários públicos.

Nesse sentido, os museus enquanto instituições públicas sociais, culturais e históricas voltadas às questões que permeiam a comunidade em que se inserem e promotoras de argumentos culturais, políticos e éticos, constituem um importante instrumento para a mediação dos mais diversos conteúdos de interesse público. Sob essa perspectiva, o Museu do Piauí – Casa de Odilon Nunes amplia a experiência de educação museal e assume o compromisso de trazer para o centro da discussão a temática da “dor”, com vistas a promover diálogos e vivências no âmbito da saúde e bem- estar fundamentados no paradigma holístico, incluso pela Organização Mundial de Saúde em um conceito ampliado de saúde.

Feira do Patrimônio

O programa de Pós-graduação em Artes, Patrimônio e Museologia, Mestrado Profissional, da Universidade Federal do Piauí promove a Feira do Patrimonio, evento anual de natureza socioeducativa, científico-cultural que têm em vista socializar estudos e intervenções no campo da preservação, pesquisa, documentação e comunicação do rico e complexo patrimônio cultural brasileiro e do Piauí em particular.  

Neste ano a feira engloba dois eventos com temáticas associadas o Simpósio Nacional Patrimônio, Turismo e Museologia de Inovação Social e Seminário Acervos Digitais Culturais na Rede.

A Feira do Patrimônio promove ações socioeducativas e científico-culturais, os eventos serão compostos de rodas de conversas e memórias, apresentações artísticas, oficinas vivas, acolheremos stands de patrimônios, cursos e outras atividades.

Haverá apresentações de estudos e intervenções, de boas práticas, no campo das artes, patrimônio cultural e museus, que podem ser apresentadas pelos autores de qualquer lugar do Piauí, Brasil e do mundo, onde estiverem (on-line).

Áreas Temáticas

  1. Artes, Patrimônio Cultural e Museologia
  2. Patrimônio, Turismo e Museologia de Inovação Social
  3. Acervos Digitais Culturais na Rede
  4. Patrimônio Cultural e Ecomuseologia
  5. Educação e Patrimônio Cultural
  6. Turismo e Patrimônio Cultural
  7. Políticas Públicas e Patrimônio Cultural
  8. Arquitetura, Urbanismo e Patrimônio Cultural
  9. Arqueologia e Patrimônio Cultural
  10. Patrimônio Cultural e Meio Ambiente
  11. Patrimônio Cultural, Design e Design de Moda
  12. Antropologia e Patrimônio Cultural
  13. História, Memória e Patrimônio Cultural

Para mais informações acesse: https://www.even3.com.br/feiradopatrimonio2019/

Oficina Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico (DF)

O Instituto Brasileiro de Museus promove a oficina “Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico”, com carga horária de 12h. O minicurso presencial é parte do programa de capacitação técnica do Ibram

A Gestão de Riscos é a utilização integrada dos recursos e conhecimentos disponíveis, com o objetivo de prevenir riscos, minimizar seus efeitos e responder às situações de emergência. Nos museus, o risco está relacionado à probabilidade de algo acontecer causando danos e perda de valor aos acervos por meio da ação de um mais a gentes de riscos. Por tanto, conhecer os principais riscos, permite o melhor planejamento das ações a partir do estabelecimento de prioridades e melhor alocação de recursos.

Com esse intuito Ibram está promovendo uma série de ações voltadas para implementação de medidas de segurança nos museus, gerenciamento de riscos e capacitação visando a ampliação da capacidade de prevenção e resposta dos museus diante de ocorrência indesejadas.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até dia 18/10. Todas as informações estão disponíveis em http://ead.museus.gov.br/mod/page/view.php?id=1254&forceview=1

Critérios para preenchimento de vaga:
• Não é necessário ter formação específica;
• Terá prioridade quem trabalha em museus/instituições afins;
• Relevante exposição de motivos; e
• Ordem de inscrição

Cronograma
Inscrições: 10 a 24/10/2019
Confirmação das inscrições: até o dia 28/10/2019
Oficina: 30 e 31/10/2019
Local: Auditório da sede do Ibram (Brasília – DF) Horário: 9 às 17h
Mediadores: Taís Valente e Leonardo Neves – Coordenação de Preservação e Segurança/Ibram

IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza

A Prefeitura promove, de 9 a 11 outubro, no Teatro São José, o IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza. Realizado por meio da Secretaria Municipal de Cultura de Fortaleza (Secultfor), a programação do evento contará com debates, palestras e mesas redondas, além de oficinas realizadas em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ceará (IPHAN-CE) e com o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC). As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas online.

Com o tema “Gestão do Patrimônio e Cidades Inteligentes”, o IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza tem como objetivo discutir sobre as práticas preservacionistas em cidades inteligentes, relacionando, de forma transdisciplinar, o conceito de sustentabilidade, produção de conhecimentos e construção do espaço vivido.

O evento é destinado, especialmente, a professores, estudantes, gestores públicos, produtores culturais, estudiosos da área de patrimônio e comunidade em geral interessada na temática, que poderão solicitar certificado de participação. “O seminário traz ao debate a importância de se pensar políticas patrimoniais pluralistas, capazes de valorizar a diversidade social, cultural e ambiental, heterogeneidades culturais e identitárias que garantem a inclusão social”, comenta Adson Pinheiro, gerente da Célula de Pesquisa e Educação Patrimonial da Secultfor.

Oficinas:

Prospecção Pictórica em Pinturas Parietais – Sondagem Cromática em Superfícies de Edificações Históricas, com Karen Carolina Silva Alves
Inscrições: http://bit.ly/2mulnyl
Número de vagas: 15
Data: 9 e 10/10
Horário: das 8h às 12h
Local: Teatro São José (Rua Rufino de Alencar, nº 299 – Centro), no dia 9, e Casa de Frei Tito de Alencar (Rua Rodrigues Júnior, nº 362 – Centro), no dia 10

Introdução à Gestão de Coleções: princípios básicos de documentação em museus, com Prof. Me. Saulo Moreno Rocha (MAUC-UFC)
Inscrições: http://bit.ly/2kPOiN6
Número de vagas: 40
Data: 9 a 11/10
Horário: das 8h às 12h nos dias 9 e 10/10; das 13h às 17h em 11/10
Local: Museu de Arte da Universidade Federado do Ceará – MAUC-UFC (Av. da Universidade, nº 2854 – Benfica)

Introdução à Conservação de Acervos Compostos por Papel, com Carolina Concesso Ferreira (IPHAN-CE)
Inscrições: http://bit.ly/2m4nCbw
Número de vagas: 10
Data: 9 a 11/10
Horário: das 8h às 12h, nos dias 9 e 10/10; das 13h às 17h, em 11/10
Local: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ceará – IPHAN-CE (Rua Liberato Barroso, nº 525 – Centro)

O livro “Pedro e a Pedra” e a Educação Patrimonial, com Drª. Cristiane Buco (IPHAN-CE) e Jeferson Hamaguchi (IPHAN-CE)
Inscrições: http://bit.ly/2m22Itz
Número de vagas: 30
Data: 10/10
Horário: das 8h às 12h
Local: Teatro São José (Rua Rufino de Alencar, nº 299 – Centro)

Caso o número de inscritos exceda a quantidade de vagas ofertadas, os participantes serão escolhidos mediante avaliação das informações submetidas na ficha de inscrição.

Programação completa

9 de Outubro
13h às 17h: Credenciamento
14h às 16h: Mesa de abertura “O Patrimônio Cultural no ensino básico e no ensino superior: olhares, avanços e perspectivas”, com Prof. Dr. Gilberto Nogueira (UFC) e Profª. Drª. Carmem Zeli de Vargas Gil (UFRGS)
16h30 à 18h: Conferência “Arquitetura Contemporânea, design e patrimônio cultural: diálogos possíveis?”, com Prof. Dr. Guilherme Wisnik (FAU-USP)

10 de Outubro
14h às 16h: Mesa Redonda “Ações efetivas para a Salvaguarda”, com os palestrantes Drª. Letícia Vianna (INCTI/UNB/CNPQ) e Prof. Dr. Gilmar de Carvalho (UFC)
16h30 às 18h: Conferência “Inventários: proteção, identificação e documentação dos bens culturais das cidades”, com Profª. Dra. Maria da Luz Braga Sampaio (Universidade de Évora)

11 de Outubro
9h às 10h30: Conferência de encerramento “Experiências de Intervenção e Gestão do Patrimônio Cultural – Ações e Resultados”, com Juca Ferreira (Secretário de Cultura do Município de Belo Horizonte)
10h30 às 11h30: Lançamento de Livros

Curso Programa Educativo e Cultural – Museu das Bandeiras

A programação da 13a Primavera de Museus do Museu das Bandeiras, na Cidade de Goiás contou com a realização do Curso sobre elaboração de Programa Educativo e Cultural, ministrado pelas educadoras Ruth Vaz, do Muban, e Fernanda Castro, do Museu Histórico Nacional.


Com a participação de educadores museais, professores do ensino básico, pesquisadores e produtores culturais, o curso mobilizou profissionais para a discussão sobre Políticas Educacionais em museus e instituições culturais, conforme orientações da Política Nacional de Educacao Museal.


Além de espaço de formação , o curso propiciou aos participantes contribuírem para a prática educativa da instituição com a iniciativa de discutir o processo participativo de construção do PEC dos museus do Ibram em Goiás, em consonância com o Plano Museológico da instituição.

Lançamento do livro A função educacional dos museus: 60 anos do Seminário Regional da Unesco

Amanhã, às 18h, no Museu da República, será lançado “A função educacional dos museus: 60 anos do Seminário Regional da Unesco”, organizado por Mario Chagas e Marcus Macri.

O livro é um dos resultados do seminário realizado em setembro de 2018, na 12ª Primavera dos Museus, organizado pelo Museu da República em parceria com a Fundação Casa de Rui Barbosa, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu Imperial, o Museu Histórico Nacional e o Museu das Remoções.

Com o objetivo de revisitar o seminário de 1958, o livro registra as discussões do encontro de 2018 em artigos de Mario Chagas, Aparecida Rangel, Vladimir Sibylla Pires, Jessica Gogan, Maria Esther Alvarez Valente, Magaly Cabral, Fernanda Santana Rabello de Castro e Merced Guimarães dos Anjos.

Local: Espaço Educação
Exemplares serão distribuídos gratuitamente.

Curso – Construindo um Programa Educativo Cultural

Educadores Museais do Centro Oeste e aos entusiasmados de todos os cantos do Brasil: o Museu das Bandeiras oferece mais uma capacitação para a construção do Programa Educativo e Cultural. Com essas duas ministrantes, é melhor se apressar: as vagas vão voar rapidinho!

Módulo VI – Construindo um Programa Educativo Cultural

Educadoras: Fernanda Castro e Ruth Vaz

Inscrições>> https://forms.gle/66FE8oKDYxKiUPPL9
O VI módulo, abordará de forma teórica e prática a construção do programa educativo e cultural dos museus, a partir de suas particularidades e do material de referência, em especial o Caderno da Política Nacional de Educação Museal – PNEM.

Datas:
28 a 30 de setembro das 09:00 às 16:00

Local: Museu das Bandeiras – Cidade de Goiás – Goiás

Certificado de 18 horas
10 vagas

Jornada do Patrimônio 2019

Dando continuidade às celebrações do dia do patrimônio, comemorado no último dia 17 de agosto, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, (Secec) juntamente com a Secretaria de Estado de Educação organizaram a culminância das Jornadas do Patrimônio 2019. O evento, realizado nos dias 12 e 13 de setembro, foi dedicado ao debate entre professores, agentes culturais, autoridades e sociedade civil acerca da valorização da educação patrimonial.

Foram apresentados projetos emocionantes, seja pelas tantas expressões de conflitos, oposições e boicotes a processos educativos que reivindicam memórias e reconhecimento dos patrimônios culturais em suas diversas formas e acepções. 

Liderado pela Subsecretaria de Patrimônio Cultural da Secec, o ciclo de palestras aconteceu no Espaço Cultural Renato Russo e teve como eixo temático a história da pré-Brasília, resgatando a memória do Distrito Federal antes e durante da construção da cidade. Com o foco em conscientização da importância da educação patrimonial, a jornada contou com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (IPHAN), professores da rede pública de ensino, membros da Universidade de Brasília e público em geral.

 Abrindo o ciclo de palestras, educadores e entusiastas da educação patrimonial interagiram com a plateia, mostrando as experiências das aulas referentes ao tema, projetos, saídas de campo e memórias culturais da cidade, como fotografias, obras e cartas feitas por alunos, com uma perspectiva sobre a “Brasília do futuro”.

Que as crianças e jovens aos quais tudo isso se destina, comprometidas com suas trajetórias, território e contextos, sejam capazes de atuar para construirmos identidades culturais mais sãs, maiores, múltiplas.

13° Primavera dos Museus

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) apresenta a 13° Primavera dos Museus, evento organizado anualmente para incentivar o debate e desenvolver atividades em diversos museus do país, como seminários, exposições, oficinas, visitas mediadas, exibições de filmes, palestras e outros.

A edição deste ano, será realizada entres os dias 23 a 29 de setembro, tem como tema “Museus por dentro, por dentro dos museus”. O conteúdo permite explorar os aspectos do cotidiano museológico aplicados aos diversos métodos aos quais as coleções são submetidas no constante processo de formação, organização, conservação e exposição para interação e também como o fortalecimento da relação públicos/museu a partir da ótica da preservação enquanto ato compartilhado entre o cidadão e o seu bem cultural.

A programação do evento pode ser encontrada no site do Ibram pelo endereço http://programacao.museus.gov.br/. Mais informações sobre o tema podem ser vistas clicando aqui.

Venha ver os museus florescendo nessa primavera!

Encontro Baiano de Educação Museal – EBEM

Entre os dias 20 e 22 de março realizou-se, no Museu Carlos Costa Pinto, em Salvador, o Encontro Baiano de Educação Museal – EBEM, promovido pela Rede de Educadores em Museus da Bahia. Foi uma grande oportunidade de intercâmbio entre  diversos agentes do campo museológico: a sociedade civil organizada, representada também pela presença das Redes de Educadores em Museus de outros estados, dirigentes e demais profissionais de museus de Salvador, estudantes de museologia e representantes do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram.

O tema do EBEM, Museus em chamas – verso e reverso de como chegamos até aqui -, suscitou discussões e reflexões sobre a atual circunstância do campo museológico brasileiro, a efetividade das políticas que o orientam e as soluções empreendidas pelos trabalhadores dos museus para possibilitar que os museus sejam cada vez mais dinâmicos e receptivos à sociedade, refletindo seus avanços e inspirando transformações positivas. 

Na noite de abertura, Fernanda Castro proferiu a conferência sobre o tema do encontro. Fernanda é educadora no Museu da Chácara do Céu e no Museu Histórico Nacional/IBRAM e coordenadora da linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas” do Museu Histórico Nacional -MHN/CNPq. Abordou as dinâmicas das políticas formuladas para a área museal ao longo da história, que incluem entre seus aspectos negligências que em vários momentos culminaram em incêndios como o destruiu a maior parte do acervo do Museu Nacional em setembro de 2017. Por outro lado, apresentou também as tantas ocasiões em que a mobilização do campo insuflou a criação de políticas que incluíram a participação da sociedade civil em sua formulação, a exemplo da Política Nacional de Educação Museal – PNEM. 

Durantes os dias seguintes foram apresentados trabalhos que demonstraram de forma representativa a grande diversidade de experiências que integram o cenário museológico brasileiro. Arquitetura, ações educativas, a relação com as escolas, patrimônio cultural, capacitação, museus universitários, função educativa em instituições museais: esses foram alguns dos temas que ensejaram as  reflexões e relatos que permitiram um debate qualificado sobre a educação museal no contexto presente.

A reunião das Redes de Educadores em Museus que tinham representantes presentes no EBEM foi um espaço reservado pra a articulação e diálogo das entidades, fundamentais para a mobilização do setor. Entre seus resultados está a formulação de uma Recomendação dirigida ao campo museológico. 

No último dia de encontro, o REM Debates abordou as políticas relacionadas à educação museal sob distintas perspectivas. A profª drª Rejane Lira, do Instituto de Biologia /UFBA explanou sobre o incêndio do Gabinete Naturalista de Salvador no início do séc. XX e seus desdobramentos. Tais Valente dos Santos, coordenadora da  Coordenação de Preservação e Segurança – COPRES/ DPMUS/ Ibram falou sobre as políticas e normativas relacionadas à área de conservação e segurança em museus e as possibilidades de avanço a partir da capacitação na área. Marielle Costa, chefe da Divisão de Educação da Coordenação de Museologia Social e Educação/ DPMUS/ Ibram, apresentou o status da implementação da PNEM no que concerne às atribuições do Ibram e a expectativa de cooperação com as REMs para otimizar esse processo. Após as apresentações, as perguntas do público presente estenderam o diálogo em relação às temáticas contempladas.

A profª draª Maria Célia Teixeira além da sua respeitável trajetória de formação e atuação como docente da UFBA, é membra do ICOM e da Associação Brasileira de Museologia. Proferiu a conferência de encerramento do encontro relacionando o tema à trajetória da Museologia no Brasil, abordando processos de formação e capacitação, marcos históricos e as políticas voltadas para a área.

Felicitações ao Comitê Gestor da REM-BA, e que sigamos construindo muitas possibilidades de interlocução!