Deficiente Residente – Acessibilidade e Inclusão no Museu do Futebol.

Nome da Instituição: Instituto da Arte do Futebol Brasileiro                                          

Responsáveis pelo projeto: Clara de Assunção de Azevedo

Objetivo: O projeto tem como objetivo promover a convivência da equipe do Museu com as diversas deficiências e necessidades do públicoo visitante, aprimorando atendimento, materiais e recursos acessíveis disponíveis no Museu.

Compartilhar informações com o deficiente e discutir melhorias no atendimento e no espaço expositivo; construir em conjunto com a pessoa com deficiência métodos e recursos que permitam a transposição de linguagens para a fruição do acervo da instituição; privilegiar o olhar e a opinião da pessoa com deficiência aprendendo e desenvolvendo melhores formas de atendê-la; levar em consideração as diferenças do público visitante e promover a inclusão de todos os públicos; estabelecer recursos para que se efetivem as pontes e os diálogos necessários para a adaptação do atendimento e a superação dos limites.

Período de realização: Junho a Agosto/2010, Outubro a Dezembro/ 2010 e Junho a Novembro/ 2011.

Públicos atingidos: Em primeiro lugar ao público com deficiência, estendendo-se aos funcionários e demais visitantes do Museu.

Descrição da ação:  O Projeto educativo Deficiente Residente, inaugurado em 2010, é uma experiência pioneira do Museu do Futebol no campo da acessibilidade e da inclusão. O projeto, que atua diretamente na área comportamental, consiste na convivência/residência (planejada) de pessoas com deficiência dentro do Museu do Futebol durante um período pré-determinado. A cada ano são convidadas duas pessoas com diferentes deficiências para conviver por alguns meses com a equipe do Museu. A intenção com o projeto é promover a convivência da equipe do Museu com as diversas deficiências e necessidades do público com vistas a inclusão do visitante, a qualificação do atendimento e dos recursos acessíveis disponíveis.

Em 2010 trabalhamos a deficiência visual (contamos com a participação de um cego e uma pessoa com baixa visão) e em 2011 trabalhamos uma faceta da deficiência intelectual (contamos com a participação de uma pessoa com Síndrome de Aspeger e um autista). O Deficiente Residente terá a sua terceira edição agora em 2012, com início previsto para agosto.