PNEM

Quantos Museus Existem na sua Cidade?

“O Projeto “Quantos Museus Existem na sua Cidade?” foi criado em 2018 por dois museólogos, e tem como missão a divulgação dos museus do país. Desde a sua criação, o projeto vem divulgando museus de vários estados brasileiros através da rede social Instagram, pelo perfil @quantomuseus, difundindo o material com vídeos e fotos para que mais pessoas tenham interesse em conhecer o museu pessoalmente, ou que tenham acesso a eles, mesmo à distância.

Neste projeto, procuramos apresentar museus que não possuem tanta visibilidade, seja por questões geográficas, ou porque não estão no centro da política de investimento, ou de atenção turística da cidade. Em várias cidades existem museus espalhados por bairros e ruas que possuem tipologias e acervos distintos. Conhecer esse mundo de museus que estão ao nosso redor e que acabamos nem dando conta da sua importância é o grande objetivo deste projeto. Assim, publicamos fotografias/vídeos dos museus visitados na tentativa de dar mais visibilidade a essas instituições. Não existe uma limitação por região, pois a ideia é expor os museus das mais diversas localidades. Uma parte importante do projeto é estimular para que além de acessar o material divulgado, as pessoas possam produzir material de divulgação dos museus da própria cidade e compartilhar conosco para divulgação.

Nesse sistema, já publicamos material produzido de museus por colaboradores que nos enviaram. Acreditamos que as pessoas devem ter um papel mais ativo na participação dessas instituições, pois a principal função dos museus é a preservação da memória social. Vamos Ocupá-los!”

Texto: Quantos Museus

Lançamento Programa Saber Museu

No dia 18 de dezembro, Dia do Museólogo, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) lançou o Programa Saber Museu, iniciativa voltada para a capacitação de profissionais que atuam na área museológica e áreas afins, visando a difusão do conhecimento e o aprimoramento da gestão do campo museal.

A partir da parceria com a Escola Virtual de Governo, da Escola Nacional de Administração Pública (EVG/ENAP), o Saber Museu disponibiliza em sua plataforma um vasto material instrucional em diferentes formatos tais como vídeos (aulas, animações, tutoriais), publicações, podcasts, apresentações, entre outros, que promoverão a capacitação à distância em temas que têm como base os programas do Plano Museológico e as principais políticas públicas e programas do setor museal.

Entre os cursos EAD que serão oferecidos pelo Programa Saber Museu, estão abertos os de “Plano Museológico” e “Curso Para fazer uma exposição”. Já a partir de janeiro de 2020, está programado o curso de “Acessibilidade em museus”; o de “Conservação”, em fevereiro; em março, o de “Documentação em Acervos Museológicos”; e o de “Inventário Participativo”, no mês de abril.

A cerimônia de lançamento foi realizada no auditório do Ibram, em Brasília, e conduzida pela diretora do Departamento de Processos Museais (DPMUS/Ibram), Carolina Vilas Boas, e contou com representantes de várias instituições tais como a Coordenação de Patrimônio do Ministério das Relações Exteriores, o Tribunal de Justiça do DF, Universidade de Brasília (UnB), Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (SECEC-DF), do museu da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), Museu da Educação do Distrito Federal, (Centro Cultural Banco do Brasil) CCBB-DF, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e a Rede de Educadores em Museus e Instituições Culturais do DF (Remic-DF), Serviço Social do Comércio (Sesc-DF).

Após a apresentação da plataforma, pela coordenadora de Museologia Social e Educação (Comuse/DPMUS/Ibram), Juliana Vilar Ramalho Ramos – área responsável pela formatação do Saber Museu –, foi realizada uma mesa temática (foto) que contou com a participação de Luciana Palmeira, Coordenadora de Acervos Museais (Camus/DPMUS/Ibram); de Carlos Eduardo dos Santos, Coordenador de Inovação em Educação à Distância (EVG/Enap); do diretor do Museu do Senado Federal, Alan Silva; e da Coordenadora do Curso de Museologia da UnB, Monique Magaldi. Mediados por Monica Padilha – docente do Instituto Federal de Brasília e ex-chefe da Divisão de Educação da Comuse/DPMUS/Ibram, os integrantes da mesa falaram das suas expectativas sobre as contribuições do Saber Museu para a qualificação dos profissionais que atuam no setor museológico brasileiro.

Para Carolina Vilas Boas, o Programa Saber Museu vem atender a grande demanda que o Ibram tem, desde a criação do Instituto, por ampliar a sua capacidade de capacitação na área. “A criação dessa plataforma de conhecimento à distância, é entender que nós vivemos em país continental e que as nossas políticas públicas têm que dar conta dessa dimensão. O formato de educação à distância, se bem utilizado e humanizado, visa corresponder às expectativas desse campo tão carente de formação e de continuidade em seu desenvolvimento”, concluiu Carolina.

Fotos: Danilo Brito

II Jornada Holística do Museu do Piauí

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente perceptível em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

O tema de nossa II Jornada prevista para os dias 12, 13 e 14 de novembro deste ano será ” As dores e a transcendência do eu”. A intenção é perceber o caráter purificador da dor, sua força que pode impulsionar ao auto- conhecimento e à superação de limitações que, de alguma forma vivenciamos. Trataremos da dor numa perspectiva filosófica, espiritual, psicológica, científica, física porque ela, quase que inevitavelmente perpassa essas esferas. O que as dores têm a nos ensinar? Partimos da tese de que as dores são um mecanismo importante no processo de autoconhecimento, processo esse que pode levar à transcendência do eu. Objetivamos com essa jornada proporcionar alternativas capazes de fazer o participante refletir sobre suas dores, vislumbrando um caminho à sua transmutação.

Com a colaboração e participação de profissionais de áreas diversas, entidades e e escolas, instrutores, artesãos e grupos em geral o Museu do Piauí realizará durante a sua II Jornada um conjunto de atividades gratuitas direcionadas à comunidade. Essas atividades tais como palestras, vivências de yogaterapia, atendimentos em seitai dentre outras, objetivam propiciar reflexões, experiências e conhecimento sobre o assunto. Além da experiência proporcionada por vivências, palestras e atendimentos – a II Jornada Holística do Museu do Piauí traz ao público uma instalação que contemplará o tema em questão através dos vários sentidos, como também uma Feira que acontecerá no pátio interno do Museu. Trazer essas atividades para o espaço do Museu do Piauí é oportunizar um conjunto de experiências a pessoas que nem sempre tem acesso a essas práticas que tem contribuído substancialmente na melhoria da qualidade de vida de vários públicos. Nesse sentido, os museus enquanto instituições públicas sociais, culturais e históricas voltadas às questões que permeiam a comunidade em que se inserem e promotoras de argumentos culturais, políticos e éticos, constituem um importante instrumento para a mediação dos mais diversos conteúdos de interesse público. Sob essa perspectiva, o Museu do Piauí – Casa de Odilon Nunes amplia a experiência de educação museal e  assume o compromisso de trazer para o centro da discussão a temática da “dor”, com vistas a promover diálogos e vivências no âmbito da saúde e bem- estar fundamentados no paradigma holístico, incluso pela Organização Mundial de Saúde em um conceito ampliado de saúde.  

A I Jornada Holística do Museu do Piauí nasceu da percepção do movimento crescente perceptível em Teresina de apoio e busca do bem-estar físico e mental da população em geral. Dentre essas ações destacam-se as que utilizam a ideia de integração entre mente e corpo como premissa fundamental para a saúde integral do ser, como podemos constatar em filosofias e terapias integrativas como yoga, meditação, reiki, acupuntura, mindfulness e ayurveda (medicina tradicional da Índia), por exemplo.

O tema de nossa II Jornada prevista para os dias 12, 13 e 14 de novembro deste ano será ” As dores e a transcendência do eu”. A intenção é perceber o caráter purificador da dor, sua força que pode impulsionar ao auto- conhecimento e à superação de limitações que, de alguma forma vivenciamos. Trataremos da dor numa perspectiva filosófica, espiritual, psicológica, científica, física porque ela, quase que inevitavelmente perpassa essas esferas. O que as dores têm a nos ensinar? Partimos da tese de que as dores são um mecanismo importante no processo de autoconhecimento, processo esse que pode levar à transcendência do eu. Objetivamos com essa jornada proporcionar alternativas capazes de fazer o participante refletir sobre suas dores, vislumbrando um caminho à sua transmutação.

Com a colaboração e participação de profissionais de áreas diversas, entidades e e escolas, instrutores, artesãos e grupos em geral o Museu do Piauí realizará durante a sua II Jornada um conjunto de atividades gratuitas direcionadas à comunidade. Essas atividades tais como palestras, vivências de yogaterapia, atendimentos em seitai dentre outras, objetivam propiciar reflexões, experiências e conhecimento sobre o assunto. Além da experiência proporcionada por vivências, palestras e atendimentos – a II Jornada Holística do Museu do Piauí traz ao público uma instalação que contemplará o tema em questão através dos vários sentidos, como também uma Feira que acontecerá no pátio interno do Museu. Trazer essas atividades para o espaço do Museu do Piauí é oportunizar um conjunto de experiências a pessoas que nem sempre tem acesso a essas práticas que tem contribuído substancialmente na melhoria da qualidade de vida de vários públicos.

Nesse sentido, os museus enquanto instituições públicas sociais, culturais e históricas voltadas às questões que permeiam a comunidade em que se inserem e promotoras de argumentos culturais, políticos e éticos, constituem um importante instrumento para a mediação dos mais diversos conteúdos de interesse público. Sob essa perspectiva, o Museu do Piauí – Casa de Odilon Nunes amplia a experiência de educação museal e assume o compromisso de trazer para o centro da discussão a temática da “dor”, com vistas a promover diálogos e vivências no âmbito da saúde e bem- estar fundamentados no paradigma holístico, incluso pela Organização Mundial de Saúde em um conceito ampliado de saúde.

Feira do Patrimônio

O programa de Pós-graduação em Artes, Patrimônio e Museologia, Mestrado Profissional, da Universidade Federal do Piauí promove a Feira do Patrimonio, evento anual de natureza socioeducativa, científico-cultural que têm em vista socializar estudos e intervenções no campo da preservação, pesquisa, documentação e comunicação do rico e complexo patrimônio cultural brasileiro e do Piauí em particular.  

Neste ano a feira engloba dois eventos com temáticas associadas o Simpósio Nacional Patrimônio, Turismo e Museologia de Inovação Social e Seminário Acervos Digitais Culturais na Rede.

A Feira do Patrimônio promove ações socioeducativas e científico-culturais, os eventos serão compostos de rodas de conversas e memórias, apresentações artísticas, oficinas vivas, acolheremos stands de patrimônios, cursos e outras atividades.

Haverá apresentações de estudos e intervenções, de boas práticas, no campo das artes, patrimônio cultural e museus, que podem ser apresentadas pelos autores de qualquer lugar do Piauí, Brasil e do mundo, onde estiverem (on-line).

Áreas Temáticas

  1. Artes, Patrimônio Cultural e Museologia
  2. Patrimônio, Turismo e Museologia de Inovação Social
  3. Acervos Digitais Culturais na Rede
  4. Patrimônio Cultural e Ecomuseologia
  5. Educação e Patrimônio Cultural
  6. Turismo e Patrimônio Cultural
  7. Políticas Públicas e Patrimônio Cultural
  8. Arquitetura, Urbanismo e Patrimônio Cultural
  9. Arqueologia e Patrimônio Cultural
  10. Patrimônio Cultural e Meio Ambiente
  11. Patrimônio Cultural, Design e Design de Moda
  12. Antropologia e Patrimônio Cultural
  13. História, Memória e Patrimônio Cultural

Para mais informações acesse: https://www.even3.com.br/feiradopatrimonio2019/

Oficina Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico (DF)

O Instituto Brasileiro de Museus promove a oficina “Gestão de Riscos ao Patrimônio Museológico”, com carga horária de 12h. O minicurso presencial é parte do programa de capacitação técnica do Ibram

A Gestão de Riscos é a utilização integrada dos recursos e conhecimentos disponíveis, com o objetivo de prevenir riscos, minimizar seus efeitos e responder às situações de emergência. Nos museus, o risco está relacionado à probabilidade de algo acontecer causando danos e perda de valor aos acervos por meio da ação de um mais a gentes de riscos. Por tanto, conhecer os principais riscos, permite o melhor planejamento das ações a partir do estabelecimento de prioridades e melhor alocação de recursos.

Com esse intuito Ibram está promovendo uma série de ações voltadas para implementação de medidas de segurança nos museus, gerenciamento de riscos e capacitação visando a ampliação da capacidade de prevenção e resposta dos museus diante de ocorrência indesejadas.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até dia 18/10. Todas as informações estão disponíveis em http://ead.museus.gov.br/mod/page/view.php?id=1254&forceview=1

Critérios para preenchimento de vaga:
• Não é necessário ter formação específica;
• Terá prioridade quem trabalha em museus/instituições afins;
• Relevante exposição de motivos; e
• Ordem de inscrição

Cronograma
Inscrições: 10 a 24/10/2019
Confirmação das inscrições: até o dia 28/10/2019
Oficina: 30 e 31/10/2019
Local: Auditório da sede do Ibram (Brasília – DF) Horário: 9 às 17h
Mediadores: Taís Valente e Leonardo Neves – Coordenação de Preservação e Segurança/Ibram

IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza

A Prefeitura promove, de 9 a 11 outubro, no Teatro São José, o IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza. Realizado por meio da Secretaria Municipal de Cultura de Fortaleza (Secultfor), a programação do evento contará com debates, palestras e mesas redondas, além de oficinas realizadas em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ceará (IPHAN-CE) e com o Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará (MAUC). As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas online.

Com o tema “Gestão do Patrimônio e Cidades Inteligentes”, o IX Seminário do Patrimônio Cultural de Fortaleza tem como objetivo discutir sobre as práticas preservacionistas em cidades inteligentes, relacionando, de forma transdisciplinar, o conceito de sustentabilidade, produção de conhecimentos e construção do espaço vivido.

O evento é destinado, especialmente, a professores, estudantes, gestores públicos, produtores culturais, estudiosos da área de patrimônio e comunidade em geral interessada na temática, que poderão solicitar certificado de participação. “O seminário traz ao debate a importância de se pensar políticas patrimoniais pluralistas, capazes de valorizar a diversidade social, cultural e ambiental, heterogeneidades culturais e identitárias que garantem a inclusão social”, comenta Adson Pinheiro, gerente da Célula de Pesquisa e Educação Patrimonial da Secultfor.

Oficinas:

Prospecção Pictórica em Pinturas Parietais – Sondagem Cromática em Superfícies de Edificações Históricas, com Karen Carolina Silva Alves
Inscrições: http://bit.ly/2mulnyl
Número de vagas: 15
Data: 9 e 10/10
Horário: das 8h às 12h
Local: Teatro São José (Rua Rufino de Alencar, nº 299 – Centro), no dia 9, e Casa de Frei Tito de Alencar (Rua Rodrigues Júnior, nº 362 – Centro), no dia 10

Introdução à Gestão de Coleções: princípios básicos de documentação em museus, com Prof. Me. Saulo Moreno Rocha (MAUC-UFC)
Inscrições: http://bit.ly/2kPOiN6
Número de vagas: 40
Data: 9 a 11/10
Horário: das 8h às 12h nos dias 9 e 10/10; das 13h às 17h em 11/10
Local: Museu de Arte da Universidade Federado do Ceará – MAUC-UFC (Av. da Universidade, nº 2854 – Benfica)

Introdução à Conservação de Acervos Compostos por Papel, com Carolina Concesso Ferreira (IPHAN-CE)
Inscrições: http://bit.ly/2m4nCbw
Número de vagas: 10
Data: 9 a 11/10
Horário: das 8h às 12h, nos dias 9 e 10/10; das 13h às 17h, em 11/10
Local: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Ceará – IPHAN-CE (Rua Liberato Barroso, nº 525 – Centro)

O livro “Pedro e a Pedra” e a Educação Patrimonial, com Drª. Cristiane Buco (IPHAN-CE) e Jeferson Hamaguchi (IPHAN-CE)
Inscrições: http://bit.ly/2m22Itz
Número de vagas: 30
Data: 10/10
Horário: das 8h às 12h
Local: Teatro São José (Rua Rufino de Alencar, nº 299 – Centro)

Caso o número de inscritos exceda a quantidade de vagas ofertadas, os participantes serão escolhidos mediante avaliação das informações submetidas na ficha de inscrição.

Programação completa

9 de Outubro
13h às 17h: Credenciamento
14h às 16h: Mesa de abertura “O Patrimônio Cultural no ensino básico e no ensino superior: olhares, avanços e perspectivas”, com Prof. Dr. Gilberto Nogueira (UFC) e Profª. Drª. Carmem Zeli de Vargas Gil (UFRGS)
16h30 à 18h: Conferência “Arquitetura Contemporânea, design e patrimônio cultural: diálogos possíveis?”, com Prof. Dr. Guilherme Wisnik (FAU-USP)

10 de Outubro
14h às 16h: Mesa Redonda “Ações efetivas para a Salvaguarda”, com os palestrantes Drª. Letícia Vianna (INCTI/UNB/CNPQ) e Prof. Dr. Gilmar de Carvalho (UFC)
16h30 às 18h: Conferência “Inventários: proteção, identificação e documentação dos bens culturais das cidades”, com Profª. Dra. Maria da Luz Braga Sampaio (Universidade de Évora)

11 de Outubro
9h às 10h30: Conferência de encerramento “Experiências de Intervenção e Gestão do Patrimônio Cultural – Ações e Resultados”, com Juca Ferreira (Secretário de Cultura do Município de Belo Horizonte)
10h30 às 11h30: Lançamento de Livros

Curso Programa Educativo e Cultural – Museu das Bandeiras

A programação da 13a Primavera de Museus do Museu das Bandeiras, na Cidade de Goiás contou com a realização do Curso sobre elaboração de Programa Educativo e Cultural, ministrado pelas educadoras Ruth Vaz, do Muban, e Fernanda Castro, do Museu Histórico Nacional.


Com a participação de educadores museais, professores do ensino básico, pesquisadores e produtores culturais, o curso mobilizou profissionais para a discussão sobre Políticas Educacionais em museus e instituições culturais, conforme orientações da Política Nacional de Educacao Museal.


Além de espaço de formação , o curso propiciou aos participantes contribuírem para a prática educativa da instituição com a iniciativa de discutir o processo participativo de construção do PEC dos museus do Ibram em Goiás, em consonância com o Plano Museológico da instituição.

Inaugurado o Centro de Referência da Educação Museal do Museu Histórico Nacional

Durante as atividades da 13a. Primavera dos Museus, no último dia 23 de setembro, foi inaugurado o Centro de Referência da Educação Museal na Biblioteca do Museu Histórico Nacional.

O Centro conta com coleções especializadas que contêm livros, periódicos, materiais educativos, jogos, mídias digitais e material áudiovisual do Brasil e do mundo.

Destaca-se a Coleção Magaly Cabral, doada pela educadora e ex-coordenadora do CECA/ICOM-Brasil, fruto de uma vida inteira dedicada à educação museal e que contém, além de obras de referência especializada, publicações do Conselho Internacional de Museus e bibliografia sobre educação e museologia.

Com cerca de 500 obras já disponiveis para consulta, há ainda um acervo de cerca de 3 mil itens em processamento.

O CREM conta também com um acervo digital que reúne trabalhos acadêmicos e profissionais e pode ser consultado no local.

Entre as perspectivas futuras está a disponibilização online dos acervos do Centro pelo Tainacan, a oferta de consultoria a pesquisadores e a recepcão de estágios profissionais.

O CREM funciona na biblioteca do MHN, de segunda feira a sexta feira, das 9h às 12h e das 14h às 16h30.

O contato deve ser feito pelo e-mail mhn.educacao@museus.gov.br ou pelo telefone 32990339.

Lançamento do livro A função educacional dos museus: 60 anos do Seminário Regional da Unesco

Amanhã, às 18h, no Museu da República, será lançado “A função educacional dos museus: 60 anos do Seminário Regional da Unesco”, organizado por Mario Chagas e Marcus Macri.

O livro é um dos resultados do seminário realizado em setembro de 2018, na 12ª Primavera dos Museus, organizado pelo Museu da República em parceria com a Fundação Casa de Rui Barbosa, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu Imperial, o Museu Histórico Nacional e o Museu das Remoções.

Com o objetivo de revisitar o seminário de 1958, o livro registra as discussões do encontro de 2018 em artigos de Mario Chagas, Aparecida Rangel, Vladimir Sibylla Pires, Jessica Gogan, Maria Esther Alvarez Valente, Magaly Cabral, Fernanda Santana Rabello de Castro e Merced Guimarães dos Anjos.

Local: Espaço Educação
Exemplares serão distribuídos gratuitamente.