PNEM

Curso – Construindo um Programa Educativo Cultural

Educadores Museais do Centro Oeste e aos entusiasmados de todos os cantos do Brasil: o Museu das Bandeiras oferece mais uma capacitação para a construção do Programa Educativo e Cultural. Com essas duas ministrantes, é melhor se apressar: as vagas vão voar rapidinho!

Módulo VI – Construindo um Programa Educativo Cultural

Educadoras: Fernanda Castro e Ruth Vaz

Inscrições>> https://forms.gle/66FE8oKDYxKiUPPL9
O VI módulo, abordará de forma teórica e prática a construção do programa educativo e cultural dos museus, a partir de suas particularidades e do material de referência, em especial o Caderno da Política Nacional de Educação Museal – PNEM.

Datas:
28 a 30 de setembro das 09:00 às 16:00

Local: Museu das Bandeiras – Cidade de Goiás – Goiás

Certificado de 18 horas
10 vagas

Jornada do Patrimônio 2019

Dando continuidade às celebrações do dia do patrimônio, comemorado no último dia 17 de agosto, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, (Secec) juntamente com a Secretaria de Estado de Educação organizaram a culminância das Jornadas do Patrimônio 2019. O evento, realizado nos dias 12 e 13 de setembro, foi dedicado ao debate entre professores, agentes culturais, autoridades e sociedade civil acerca da valorização da educação patrimonial.

Foram apresentados projetos emocionantes, seja pelas tantas expressões de conflitos, oposições e boicotes a processos educativos que reivindicam memórias e reconhecimento dos patrimônios culturais em suas diversas formas e acepções. 

Liderado pela Subsecretaria de Patrimônio Cultural da Secec, o ciclo de palestras aconteceu no Espaço Cultural Renato Russo e teve como eixo temático a história da pré-Brasília, resgatando a memória do Distrito Federal antes e durante da construção da cidade. Com o foco em conscientização da importância da educação patrimonial, a jornada contou com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artísitico Nacional (IPHAN), professores da rede pública de ensino, membros da Universidade de Brasília e público em geral.

 Abrindo o ciclo de palestras, educadores e entusiastas da educação patrimonial interagiram com a plateia, mostrando as experiências das aulas referentes ao tema, projetos, saídas de campo e memórias culturais da cidade, como fotografias, obras e cartas feitas por alunos, com uma perspectiva sobre a “Brasília do futuro”.

Que as crianças e jovens aos quais tudo isso se destina, comprometidas com suas trajetórias, território e contextos, sejam capazes de atuar para construirmos identidades culturais mais sãs, maiores, múltiplas.

13° Primavera dos Museus

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) apresenta a 13° Primavera dos Museus, evento organizado anualmente para incentivar o debate e desenvolver atividades em diversos museus do país, como seminários, exposições, oficinas, visitas mediadas, exibições de filmes, palestras e outros.

A edição deste ano, será realizada entres os dias 23 a 29 de setembro, tem como tema “Museus por dentro, por dentro dos museus”. O conteúdo permite explorar os aspectos do cotidiano museológico aplicados aos diversos métodos aos quais as coleções são submetidas no constante processo de formação, organização, conservação e exposição para interação e também como o fortalecimento da relação públicos/museu a partir da ótica da preservação enquanto ato compartilhado entre o cidadão e o seu bem cultural.

A programação do evento pode ser encontrada no site do Ibram pelo endereço http://programacao.museus.gov.br/. Mais informações sobre o tema podem ser vistas clicando aqui.

Venha ver os museus florescendo nessa primavera!

Encontro Baiano de Educação Museal – EBEM

Entre os dias 20 e 22 de março realizou-se, no Museu Carlos Costa Pinto, em Salvador, o Encontro Baiano de Educação Museal – EBEM, promovido pela Rede de Educadores em Museus da Bahia. Foi uma grande oportunidade de intercâmbio entre  diversos agentes do campo museológico: a sociedade civil organizada, representada também pela presença das Redes de Educadores em Museus de outros estados, dirigentes e demais profissionais de museus de Salvador, estudantes de museologia e representantes do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram.

O tema do EBEM, Museus em chamas – verso e reverso de como chegamos até aqui -, suscitou discussões e reflexões sobre a atual circunstância do campo museológico brasileiro, a efetividade das políticas que o orientam e as soluções empreendidas pelos trabalhadores dos museus para possibilitar que os museus sejam cada vez mais dinâmicos e receptivos à sociedade, refletindo seus avanços e inspirando transformações positivas. 

Na noite de abertura, Fernanda Castro proferiu a conferência sobre o tema do encontro. Fernanda é educadora no Museu da Chácara do Céu e no Museu Histórico Nacional/IBRAM e coordenadora da linha de pesquisa “Educação museal: conceitos, história e políticas” do Museu Histórico Nacional -MHN/CNPq. Abordou as dinâmicas das políticas formuladas para a área museal ao longo da história, que incluem entre seus aspectos negligências que em vários momentos culminaram em incêndios como o destruiu a maior parte do acervo do Museu Nacional em setembro de 2017. Por outro lado, apresentou também as tantas ocasiões em que a mobilização do campo insuflou a criação de políticas que incluíram a participação da sociedade civil em sua formulação, a exemplo da Política Nacional de Educação Museal – PNEM. 

Durantes os dias seguintes foram apresentados trabalhos que demonstraram de forma representativa a grande diversidade de experiências que integram o cenário museológico brasileiro. Arquitetura, ações educativas, a relação com as escolas, patrimônio cultural, capacitação, museus universitários, função educativa em instituições museais: esses foram alguns dos temas que ensejaram as  reflexões e relatos que permitiram um debate qualificado sobre a educação museal no contexto presente.

A reunião das Redes de Educadores em Museus que tinham representantes presentes no EBEM foi um espaço reservado pra a articulação e diálogo das entidades, fundamentais para a mobilização do setor. Entre seus resultados está a formulação de uma Recomendação dirigida ao campo museológico. 

No último dia de encontro, o REM Debates abordou as políticas relacionadas à educação museal sob distintas perspectivas. A profª drª Rejane Lira, do Instituto de Biologia /UFBA explanou sobre o incêndio do Gabinete Naturalista de Salvador no início do séc. XX e seus desdobramentos. Tais Valente dos Santos, coordenadora da  Coordenação de Preservação e Segurança – COPRES/ DPMUS/ Ibram falou sobre as políticas e normativas relacionadas à área de conservação e segurança em museus e as possibilidades de avanço a partir da capacitação na área. Marielle Costa, chefe da Divisão de Educação da Coordenação de Museologia Social e Educação/ DPMUS/ Ibram, apresentou o status da implementação da PNEM no que concerne às atribuições do Ibram e a expectativa de cooperação com as REMs para otimizar esse processo. Após as apresentações, as perguntas do público presente estenderam o diálogo em relação às temáticas contempladas.

A profª draª Maria Célia Teixeira além da sua respeitável trajetória de formação e atuação como docente da UFBA, é membra do ICOM e da Associação Brasileira de Museologia. Proferiu a conferência de encerramento do encontro relacionando o tema à trajetória da Museologia no Brasil, abordando processos de formação e capacitação, marcos históricos e as políticas voltadas para a área.

Felicitações ao Comitê Gestor da REM-BA, e que sigamos construindo muitas possibilidades de interlocução!

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional — Museus e educação: 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro (1958-2018)

Anualmente, o Museu Histórico Nacional (MHN), em parceria com universidades, instituições culturais e de pesquisa, do Brasil e do exterior, realiza em outubro, mês de sua criação, um seminário internacional abordando variados temas da História, da Museologia e das Ciências Sociais. Em 2018, o MHN em parceria com a Rede de Educadores em Museus e Centros Culturais do Rio de Janeiro – REM-RJ, que completa 15 anos, dedica o evento à reflexão e ao debate sobre os avanços e os desafios que a Educação Museal apresenta desde a realização do Seminário Regional da UNESCO – sobre o papel educativo dos museus – que deu origem à Declaração do Rio de Janeiro em 1958.

Deste modo, o Museu Histórico Nacional divulga a chamada pública para receber trabalhos desenvolvidos por profissionais de museus, instituições culturais e de pesquisa, graduandos, graduados, pós-graduandos e pós graduados que, após submetidos, serão avaliados para apresentação oral em um dos painéis temáticos do evento ou na sessão de Relatos de experiência.

  • Painel temático 1: “História da Educação Museal no Brasil” – trabalhos que tratem do desenvolvimento histórico da educação museal no Brasil e de sua relação com o contexto internacional. Serão aceitos trabalhos sobre história de instituições, programas, projetos e ações educativas, bem como estudos bibliográficos e biográficos específicos do tema.
  • Painel temático 2: “Educação Museal: conceitos e teorias” – trabalhos que tratem de debates teóricos e conceituais do campo da educação em sua relação com a educação museal e de seus temas específicos. Serão aceitos trabalhos que apresentem ou analisem propostas teóricas, metodológicas e conceituais desenvolvidas no Brasil, bem como aqueles que identifiquem e desenvolvam debates e propostas teóricas e conceituais existentes em outros países e que possam servir de referência para a elaboração de ações da educação museal no Brasil.
  • Painel temático 3: “Educação Museal: práticas e experiências” – trabalhos que tratem da análise de práticas e experiências de programas, projetos ou ações educativas museais. Serão aceitos estudos de caso, relatos de experiência, estudos estatísticos e temáticos.
  • Painel temático 4: “Educação Museal: políticas públicas, profissionais, pesquisa e formação” – trabalhos que tratem sobre o desenvolvimento das políticas públicas de educação museal no Brasil, analisando casos específicos ou fazendo levantamentos, que tratem da questão da da profissionalização do educador museal, bem como de sua formação específica e continuada e das pesquisas em educação museal.

A submissão de trabalhos
Os trabalhos a serem submetidos à Comissão Científica do Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Museus e educação: 60 anos da Declaração do Rio de Janeiro (1958-2018) deverão ser oriundos de resultados de pesquisas e da prática realizadas por educadores museais, profissionais de pesquisa, museólogos, ou de estudantes de pós-graduação (mestrado ou doutorado em curso ou já concluído) e deverão dialogar com uma ou mais linhas temáticas propostas acima.
A proposta é que se apresente um texto para debate em painel temático composto por até 3 participantes e um moderador.
Texto: resumo expandido do trabalho com 2 mil caracteres em média, incluindo espaço, identificação do autor, instituição de estudo ou trabalho, endereço eletrônico e breve notícia biográfica. Os resumos deverão ser submetidos por meio do formulário de inscrição entre 25 de janeiro e 15 de abril de 2018.

A avaliação dos trabalhos
Cada proposta de trabalho recebida pelo Comitê Organizador será encaminhada para avaliação a dos pareceristas.
A avaliação será realizada tendo como base os seguintes critérios:
1º) A pertinência da proposta aos temas sugeridos nessa chamada, assim como sua originalidade e sua relevância;
2º) O uso correto das referências bibliográficas e padrões éticos na produção de conhecimento científico, bem como a adequação à norma culta do português e do inglês.
Após aprovação do resumo expandido, será solicitado aos autores o envio do texto completo, entre 10 e 15 laudas, que será publicado no Livro do Seminário Internacional, a ser lançado em 2019. Os textos deverão ser elaborados de acordo com a ABNT NBR 6023, usando notas de rodapé completas e sem lista bibliográfica ao final.

Cronograma
Chamada pública: de 25 de janeiro a 15 de abril de 2018
Avaliação: até o dia 15 de maio de 2018
Divulgação das avaliações e da seleção de trabalhos: 18 de maio de 2018
Envio do texto completo (mesa redonda): até dia 15 de julho de 2018
Data do evento: 09 a 11 de outubro no Museu Histórico Nacional

Tecendo Redes – A Rede de Museus do Sul da Bahia encontra a Rede de Educadores em Museus da Bahia

A Rede de Educadores em Museus da Bahia, em parceria com a Rede de Museus e Pontos de Memória do Sul da Bahia, convida para o Tecendo Redes – A Rede de Museus do Sul da Bahia encontra a Rede de Educadores em Museus da Bahia.

Integrando a programação nacional da 11ª Primavera de Museus: museus e suas memórias, este encontro, a se realizar em 15 de setembro, tem como objetivo levar as reflexões propostas e realizadas pela REM-BA para outras cidades do estado. A REM-BA tem articuladores em diversas cidades, incluindo Ilhéus, cidade que sediará o encontro, mas nunca realizou nenhuma reunião oficial fora de Salvador.

A REM-BA deseja  dialogar cada vez mais com outros educadores que queiram discutir sobre Educação Museal.

Venha fazer parte dessa Rede!

 Inscrições: rem.bahia2010@gmail.com

O II Encontro da Rede de Educadores de Museus – REM SP acontecerá 28 e 29 de agosto

O II Encontro da Rede de Educadores de Museus – REM SP se realizará nos dias 28 e 29 de agosto de 2017, por meio de uma parceria com o SESC/SP, e será mais uma oportunidade para discussão sobre os principais temas de interesse da área, fortalecendo os profissionais que atuam como educadores e mediadores de museus e instituições culturais, ampliando as possibilidades de troca por meio da Rede. Para este ano o tema será “Rede de Redes – Diálogos e perspectivas das Redes de Educadores de Museus no Brasil”.

Para conferir a programação e maiores informações sobre o evento clique aqui.

 

Colóquios Museológicos recebe o Ministro Juca Ferreira nesta terça (19)

Nesta terça-feira (19), o Ibram realiza a primeira edição dos Colóquios Museológicos, com o Ministro da Cultura, Juca Ferreira, que abordará o tema “Museus para todos”.  O evento acontece a partir das 15h30, na sede do Ibram, em Brasília, e terá transmissão ao vivo pela internet, através do endereço www.museus.gov.br.

Os Colóquios têm como proposta, dinamizar os espaços de eventos do Instituto, de forma que o Ibram passe a ser reconhecido também como um centro de estudos museológicos contemporâneos. A programação será permanente e contará sempre com a participação de convidados que irão abordar temas contemporâneos situados no campo de interesse dos museus.